Portal Oficial de Visconde de Mauá. O Primeiro, desde 1998 Portal Oficial de Visconde de Mauá. O Primeiro, desde 1998

Cronica e Cultura

Cronica e Cultura

Turismo em Montanhas e SerrasCanoagem - Visconde de MauáChachoeiras - Serra da MantiqueiraVisconde de Mauá - Aventura

 

EVOLUINDO

Um ser vivo precisa executar inúmeras tarefas para suprir suas necessidades fisiológicas diárias que o mantém na frágil linha da vida . Quanto mais eficiente o organismo for em resolver suas tarefas , mais condições favoráveis ele adquire para competir em vantagem na luta pela sobrevivência . Há 300 mil anos atrás , o Neandertal que tinha um bom desempenho na tarefa de caçar , conseguia agregar condições mais favoráveis para sobreviver e desta forma , podia competir em vantagens em outras tarefas importantes , como a de conseguir uma parceira saudável para procriar e garantir a transmissão de seus genes em futuras gerações , completando seu legado biológico .

Em tempos modernos , não precisamos sair de casa com arco e flecha para garantir nosso almoço , mas temos que trabalhar para garantir o dinheiro do supermercado . Os fins biológicos não mudam , continuamos lutando por recursos naturais que garantam nossa estabilidade orgânica ; mudaram somente as  ferramentas  . Hoje , o organismo que desenvolve melhor suas tarefas : caçando , ou trabalhando , é o organismo que provavelmente vai obter os melhores resultados : caça , ou salário , e por conseguinte vai agregar melhores condições para competir , sobreviver e prosperar . Neste novo jogo , com os mesmos fins biológicos e diferentes ferramentas , a habilidade e aptidão do organismo em extrair seus recursos do meio ambiente continuam determinando seu sucesso , ou fracasso na luta pela sobrevivência . 

Dois fatores determinam o sucesso ou fracasso do organismo : o fator genético e o fator ambiental . O fator genético pouco muda em nossa escala de tempo de sobrevida e não temos controle sobre ele . Por outro lado , o fator ambiental , é maleável , plástico e temos como controlar de forma positiva , ou negativa durante a nossa experiência real .

O fator genético é fácil de visualizar com o trivial exemplo das girafas . Há milhões de anos atrás , uma alteração genética aleatória expressou na girafa , um pescoço mais longo , que a permitia a alcançar a folhagem remanescente no alto das árvores , desta forma conseguia obter alimentos com mais facilidades que as girafas de pescoço curto , aumentando suas chances de sobrevivência . Tanto que , ao decorrer do tempo , as girafas de pescoço longo se perpetuaram e as de pescoço curto se extinguiram . Com os hominídeos , a analogia é a mesma , porém as alterações genéticas aleatórias expressaram um sistema nervoso mais desenvolvido que outras espécies , capacitando-os a resolver problemas com mais eficiência , desta forma o Homus sapiens percebeu , que usando um pedaço de pau também conseguia alcançar os frutos no alto das árvores , se defender e caçar com mais eficiência que seus concorrentes , colocando em vantagem na luta pela sobrevivência , tanto que desde então , vem se proliferando e se perpetuando na face da terra de forma progressiva .

Contudo , com o crescimento exacerbado da população humana (hoje nasce no mundo 130 milhões de pessoas por ano) e seus recursos naturais limitados , o Homus sapiens encontrou em sua trajetória um novo adversário  : ele mesmo . Contra este novo adversário , trava-se uma batalha mais equilibrada , pois o adversário tem a mesma bagagem genética e por conseguinte o mesmo arsenal biológico , ou seja , ter um cérebro em nossa luta moderna , não é mais uma vantagem evolutiva , ter um cérebro agora , garante somente um empate na luta pela sobrevivência . Pode parecer um exagero , qualificar outros seres humanos como adversários , ainda mais que ser altruísta é inerente ao ser humano , mas basta ver os noticiários de hoje , ou olhar para nossas casas cercadas de grades e muros para perceber a realidade . De quem estamos nos protegendo ? 

Se , na  luta atual , estamos geneticamente estamos empatados com nossos adversários . Como então , podemos competir em vantagem na luta pela sobrevivência ? Simples , através da relação (hábitos) que mantemos com o meio ambiente . Esta relação vai determinar , se você vai potencializar , ou atrofiar suas capacidades (garantidas geneticamente) em habilidades e aptidões reais que o colocaram em vantagem ou em desvantagem na luta ela sobrevivência . Quanto mais hábil e apto o organismo for , melhores  condições ele agregará para competir em vantagem . 

Portanto , se nossa relação com o meio ambiente cunha transformações no organismo , cabe a nós identificar estas relações e otimizar as favoráveis . Ou seja , se você mantém hábitos desfavoráveis a manutenção da vida biológica ( p.ex.: tabagismo e etilismo)  seu organismo  vai se descapacitar , ou adoecer colocando-o em desvantagem na luta pela sobrevivência ; por outro lado , se você mantém hábitos que otimizam a capacidade de seu organismo ( p.ex: praticando esportes e estudando) ,  você agregará melhores condições de competir em vantagem e prosperar . Hoje a luta pela sobrevivência , viver ou morrer , pode não ser tão patente assim , mas podemos expressá-la de outra forma : ter uma melhor ou pior qualidade de vida .

Portanto , vamos evoluir , otimize suas ferramentas biológicas , lendo , estudando , aprendendo , praticando esportes , socializando-se e conectando-se a fontes positivas ,  só assim podemos fazer e deixar um mundo melhor . A genética é aleatória , não tem como controlar ou escolher nossos fenótipos , por outro lado a relação com o ambiente é passível de controle e escolhas , é onde teremos nossa chance de mudar para pior ou melhor , não desperdice o precioso patrimônio de viver .

Feliz século XXI !

Cachoeira - Região de Visconde de Mauá